CPRM irá divulgar novo mapa de risco do Pinheiro na próxima semana.

O que se sabe sobre as rachaduras no bairro do Pinheiro, em Maceió-IMAGEM:GOOGLE

As próximas ações a serem realizadas no Pinheiro, em Maceió, foram discutidas nesta sexta-feira (10), em uma reunião com o vice-prefeito Marcelo Palmeira, secretários municipais e integrantes da Defesa Civil Nacional e do Serviço Geológico do Brasil, CPRM. O encontro serviu para detalhar os laudos que apontaram a Braskem como a causadora das rachaduras no bairro. O novo mapa de risco, porém, deve ser divulgado até o final da próxima semana.

A proposta é que ele seja compreendido por toda a população. “Queremos um mapa que seja muito bem compreendido pelos secretários das Defesas Civis Municipal, Estadual e Nacional, por todas as pessoas envolvidas no problema e, especialmente, pela população. Essa é o nosso desafio, transformar uma linguagem científica em uma linguagem que possa ser compreendida pela população”, afirmou Thales Sampaio, da Diretoria de Hidrologia e Gestão Territorial da CPRM. 

Ele disse ainda que apenas a partir do aprofundamento quanto às causas será possível trabalhar uma solução. “Para um problema complexo, a solução nunca é simples. A gente já conhece as causas e os efeitos, agora a gente precisa detalhar quais causas ainda não conhecemos e existem. Algumas causas estão muito claras, mas esse é um problema sistêmico. A causa gatilho está lá embaixo, agora a gente precisa entender melhor e ter a Engenharia Civil, especialistas neste assunto, junto conosco para que a gente possa ter a solução desse problema”.

Coordenador da Defesa Civil de Maceió, Dinário Lemos disse que a Prefeitura ainda está tomando conhecimento dos mapas e também do relatório divulgado pelo Serviço Geológico. “Hoje vai ser o primeiro dia que a Defesa Civil Nacional e a CPRM vão ter contato com as pastas envolvidas no processo para que a gente possa ter acesso ao relatório e quais são os procedimentos que vamos tomar”, apontou.

Com relação ao aluguel social, ele destacou que todo o processo se mantém como estava. Uma nova reunião em Brasília deve ocorrer na próxima semana para que as decisões sejam tomadas em conjunto com o Governo Federal. O plano de contingência permanece o atual. “Não podemos mudar tão drasticamente. Hoje vamos saber detalhes do relatório para então tomarmos novas decisões e, se preciso, alterar o plano”.

Fonte Gazetaweb