Desde o início do mês que o Legislativo municipal forneceu todas as informações solicitadas pelos dois órgãos de fiscalização

Após um levantamento recente feito pelo Ministério Público de Contas (MPC) em Alagoas, foi constatado que mais de 25 mil servidores do Estado receberam de forma irregular o auxílio emergencial no valor de R$ 600, disponibilizado pelo Governo Federal. A ajuda financeira tem como objetivo assegurar uma renda mínima para brasileiros em situação de vulnerabilidade durante a pandemia do Covid-19 e servidores públicos não se enquadram nessa parcela da população brasileira.

No início do mês, foi solicitado por parte do Ministério Público de Contas e a Controladoria Geral da União (CGU), que diversos órgãos enviassem a folha de pagamento dos seus servidores para que houvesse o cruzamento de dados, de modo que fossem averiguados se eles também estão recebendo irregularmente o auxílio emergencial.

A Câmara Municipal de Maceió esclarece que, no dia 7 de julho de 2020, em conformidade com o OFÍCIO PG N.081/2020, foi enviado para o MPC e à CGU a relação dos servidores da Casa, juntamente com a folha de pagamento dos mesmos referente ao mês de abril do corrente ano.

O presidente da Casa, Kelmann Vieira (Podemos), ressalta que a CMM cumpriu a solicitação feita e está aguardando os dados serem cruzados para que os órgãos de controle indiquem as providências a serem tomadas, caso haja alguma irregularidade por parte de servidores do Poder Legislativo de Maceió.

“Todas as informações solicitadas foram repassadas e agora, estamos aguardando a finalização dos trabalhos dos dois órgãos de fiscalização para sabermos o resultado e quais providências eles sugerem que sejam tomadas, casa seja constatada alguma irregularidade, pois é inadmissível que um auxílio destinado a quem realmente precisa, em um momento como este que vivemos, esteja sendo desviado de sua finalidade”, declarou o presidente da Casa.