Bolsonaro e Mourão tomam posse em sessão solene no Congresso

Bolsonaro é empossado no Congresso Nacional

Eleito em outubro de 2018 com mais de 57 milhões de votos, Jair Bolsonaro toma posse como presidente da República neste dia 1º de janeiro. A cerimônia começou no início desta tarde, com atos no Congresso Nacional, às 15h (horário de Brasília), e no Palácio do Planalto e no Itamaraty.

Em seu primeiro discurso como presidente, Bolsonaro afirmou que, se ouvirmos “a voz do povo”, os novos políticos obterão o sucesso esperado. Ele também pediu apoio aos parlamentares para “reerguer” o país.

O presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), informou durante a cerimônia que o livro no qual o novo presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão assinaram o termo de posse é o mesmo utilizado pelos chefes doExecutivo desde Deodoro da Fonseca, primeiro presidente da República do Brasil.

Discurso

O presidente Jair Bolsonaro propôs um “pacto nacional” entre a sociedade e os poderes da República em um discurso de 9 minutos e 53 segundos no Congresso Nacional após tomar posse no cargo para o mandato 2019-2022.

Ele fez referência ao “pacto” ao falar sobre os desafios do novo governo na área econômica. Segundo o novo presidente somente “um verdadeiro pacto nacional entre a sociedade e os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário” será possível vencer os desafios da recuperação econômica.

“Precisamos criar um círculo virtuoso para a economia, que traga a confiança necessária para permitir abrir nossos mercados para o comércio internacional, estimulando a competição, a produtividade e eficácia sem viés ideológico. Neste processo de recuperação do crescimento, o setor agropecuário seguirá desempenhando papel decisivo em perfeita harmonia com a preservação do meio ambiente. Dessa forma, todo o setor produtivo terá aumento de eficiência, com menos regulamentação e burocracia”, afirmou.

Apoio do Congresso

Bolsonaro pediu ao Congresso para ajudá-lo na missão de “restaurar e de reerguer nossa Pátria, libertando-a, definitivamente, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica”.

Noutras referências ao Congresso, disse que conta com o apoio da instituição para “dar o respaldo jurídico aos policiais para realizarem seu trabalho” e que vai valorizar o parlamento, “resgatando a legitimidade e a credibilidade do Congresso Nacional”.

Ele disse que está diante de uma “oportunidade única de reconstruir nosso país e de resgatar a esperança dos nossos compatriotas”.

O presidente atribuiu a eleição dele ao atentado que sofreu durante a campanha eleitoral, no qual sofreu uma facada.

“Quando os inimigos da pátria, da ordem e da liberdade tentaram pôr fim à minha vida, milhões de brasileiros foram às ruas. Uma campanha eleitoral transformou-se em um movimento cívico, cobriu-se de verde e amarelo, tornou-se espontâneo, forte e indestrutível, e nos trouxe até aqui”, declarou.

Fonte: EBC