Família de Jayme Miranda, desaparecido na ditadura militar, pede auxílio da OAB-AL

A família do jornalista Jayme Amorim de Miranda, que desapareceu durante a ditadura militar, quer ajuda da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL) para buscar informações que ajudem na investigação do caso. O neto dele, Thyago Miranda, se reuniu nesta terça-feira (15) com o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Ricardo Moraes, no centro de Maceió.

Na última semana, a divulgação de um memorando secreto da CIA revelou que o general Ernesto Geisel, presidente do Brasil entre 1974 e 1979, sabia e autorizou execução de opositores durante a ditadura militar.

“Há um procedimento investigativo aberto na Justiça Federal para apurar o caso dele [Jayme Miranda]. O procurador da República, André Borges, já fez algumas oitivas, já tem algumas informações que serão repassadas à nossa família. Nós também iremos a São Paulo para prestar informações para ajudar no processo. O MPF vai fazer as apurações, pra ver se apresenta denúncia”, explicou Thyago.

Para a família do jornalista, a OAB-AL pode ajudar em pesquisas que contribuam com mais informações para o procedimento que investiga o desaparecimento de Miranda.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-AL, no momento, ainda não há elementos para intervenção da entidade.

“Nós não temos, e nem ele trouxe para a gente, nenhum elemento concreto para intervir agora. Parece que não evoluiu muito desse fato específico pela Comissão da Verdade, pois não chegaram a ter elementos suficientes”, afirmou Moraes.

Ainda conforme o advogado, a entidade poderá agir a partir das informações que a família solicitou sobre o procedimento que investiga o caso.

“Ele [Thyago] disse que vai receber as informações desse processo. Inclusive um dos suspeitos do desaparecimento, segundo ele nos passou, prestou depoimento e falou de detalhes, que houve o sequestro no Rio e foi levado até São Paulo, onde o corpo teria sido desovado”, disse o presidente da Comissão.

Fonte: G1

SEM COMENTÁRIO