Val Amélio assume mandato federal em substituição ao agora cassado Cícero Almeida

Depois da derrota nas urnas, no último dia 7 de outubro, quando conseguiu uma votação pífia de pouco mais de 8mil votos, Cícero Almeida teve o mandato cassado ontem (13) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O motivo: infidelidade partidária. O ex-prefeito de Maceió, eleito e reeleito, num cenário que parecia ser de vulto, não conseguiu, sequer, uma vaga na Assembleia Legislativa. A defesa de Almeida alega que ainda cabe recurso. Enquanto isso, porém, assume a vaga o suplente da coligação, Val Amélio, na condição de titular.

A decisão tomada pelo TSE ontem, por seis votos contra um, foi motivada pelo pedido apresentado pelo presidente do PRTB, Levy Fidélix, que alegou ter havido troca do partido pelo deputado, que assinou a ficha do PHS durante o exercício do mandato, prática bastante comum pelo ex-prefeito. Agora, sem mandato, sem grupo político, com possibilidade de ficar inelegível por até oito anos, Cícero Almeida não deverá ter condições, sequer, de disputar uma vaga de vereador por Maceió e ainda se ver às voltas com outras implicações judiciais, visto que tramitam na alçada judiciária ações ligadas ao seu nome.

Depois de eleito para a Câmara Federal em 2014 pelo PRTB, o ex-prefeito assinou ficha do PSD. Ainda no exercício do mandato, passou para o antigo PMDB (atual MDB). Por fim, assinou ficha ao PHS, legenda pela qual concorreu a uma vaga no Legislativo estadual, sem sucesso.

Esta será a segunda vez que Val Amélio assume o mandato na Câmara Federal. Em 2016, numa jogada para tentar acalmar os ânimos do PRTB, o próprio Almeida tirou licença de 122 dias do mandato, a fim de garantir a representação de Amélio. O mandato federal que será exercido por Val Amélio a partir de agora vai até 31 de janeiro de 2019.